("FUMUS BONI JÚRIS")

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Nelson Mandela


Vila de Nelson Mandela guarda costumes tribais da África do Sul


Nos 91 anos de Nelson Mandela, o caminho do líder e como a história começou.

RENATO RIBEIRO e EDU BERNARDES Mvezo, África do Sul



Uma pequena vila, berço de tradições tribais. Terra que viu crescer um homem e um sonho. O homem ganhou nome: Nelson Mandela. Ele sonhava algo até então impensável na África do Sul: igualdade.

Eram tempos brutais, de apartheid - a divisão entre negros e brancos. Tempos em que a cor da pele determinava destinos. Mas Mandela venceu. Uniu seu povo. Virou presidente, líder, símbolo da África do Sul.
De onde surge um líder?
Como é formado um herói?
O que fez de Nelson Mandela alguém tão especial?

Viajamos até o interior da África do Sul para conhecer a infância do homem que mudou a história de um país e de um povo. Viemos até a província do Cabo Ocidental. Um lugar rural, onde a globalização não parece ter chegado. Uma paisagem bem distante das grandes cidades. Aqui, a única riqueza é o que a natureza oferece.

Este é o berço de Mandela. Exatamente onde nasceu, com o nome de Rolihlahla, do clã dos Madiba. Rolihlahla significa “encrenqueiro, levado”. O pai dele era um líder tribal. Tinha quatro mulheres e 13 filhos.

Quando completou 7 anos, Mandela foi para escola. No primeiro dia de aula, ganhou um nome cristão, tradição na época. Assim, passou a ser chamado de Nelson.

No terreno bem ao lado de onde Mandela nasceu, vive, por coincidência, nosso guia nessa viagem. John Telakung tem 40 anos. Sua mulher, Monoperakot, 32. Vivem da agricultura e das gorjetas dos poucos turistas que vêm visitar o local.

O casal e os dois filhos se dividem em três ocas. Jamais tiveram televisão em casa. A energia elétrica chegou há seis anos. "Eu tenho muito orgulho de viver aqui. Porque Madiba nasceu aqui e fez as coisas que fez", disse ela.

Quando tinha 5 anos, Mandela mudou de vila. O pai perdeu uma disputa de poder tribal. Ele e a mãe se mudaram para Qunu, a 30 quilômetros. Em Qunu, ele cresceu brincando. Hoje, onde ele aprontava com os amigos, no alto de uma colina, há um pequeno museu em sua homenagem.

Aconselhada por amigos, a mãe resolveu colocar o pequeno Rolihlahla na escola. Mandela foi apresentado ao que mudaria seu destino depois: a Educação. Foi em uma pequena cabana que há 91 anos nasceu Nelson Mandela. É um lugar simples e rústico. Tanto tempo depois, a maioria das pessoas ainda vive em moradias assim.

Qunu tem até hoje a marca dos Mandela. Quando vem à vila, dorme em seu casarão. Bem próximo, fica o cemitério particular da família. Aqui estão enterrados os parentes de Madiba, incluindo dois de seus filhos.

Em frente ao cemitério, encontramos Morisse, de 78 anos, irmão de Mandela. Ele vive em uma casa simples e trabalha no campo. Um estilo de vida que parece parado no tempo: "Nunca imaginei que ele se tornaria alguém conhecido no mundo inteiro pela infância pobre que ele teve", nos contou Morisse, que não fala inglês. Fala apenas Xhosa, o segundo idioma mais falado na África do Sul.

Quando se tornou adolescente, Mandela mais uma vez mudou de vila. Ele se separou da mãe, que o deixou aos cuidados do líder da tribo de Mqhekezweni.

Até que quando tinha 18 anos, Mandela soube que o líder havia preparado um casamento para ele. Isso era comum entre os Xhosa. Mandela se desesperou. Não queria casar naquele momento. Tinha um sonho. Terminar os estudos para chegar à universidade e ser advogado.

Não teve dúvidas. Pegou um trem às escondidas e seguiu para Joanesburgo, a grande metrópole. O resto da história o mundo conhece. Ele conseguiu se formar. Como advogado, iniciou a luta contra o apartheid. Foi morar em Soweto e virou símbolo do bairro.

Foi exilado, participou da luta armada até ser preso. Foram 27 anos na prisão. Atrás das grades, negociou com paciência o fim do regime de segregação racial. Com o diálogo, fez uma revolução sem armas. Foi libertado em 1990 e, quatro anos depois, eleito o primeiro presidente negro da África do Sul.

Prêmio Nobel da Paz, um dos maiores personagens do século 20, Mandela sempre carregou com ele suas raízes. A paz de Mvezo. A simplicidade de Qunu. Os valores de seu clã, que só aumentou. Ele tem seis filhos, 23 netos, três bisnetos e um país inteiro como herança. Seu legado.

Esta é a história das origens de Nelson Rolihlahla Mandela. Para os sul-africanos, simplesmente, Madiba. O pai de todos.

No aniversário de Nelson Mandela, os repórteres Renato Ribeiro e Edu Bernardes foram até atrás das raízes do líder africano. Leia o depoimento de Renato Ribeiro sobre a viagem e a família de Mandela.

Mvezo e Qunu são vilas paradas no tempo. Para chegar lá, pegamos um voo de uma hora e meia de Joanesburgo até Umtata, na província do Cabo Ocidental - antiga República do Transkei. De lá, mais uma hora de carro. Primeiro, asfalto. Depois, terra, pedra. Em Mvezo, o celular pega mal, as ocas não têm televisão. A energia elétrica chegou há poucos anos. A natureza ainda é soberana. Rio, montanhas, animais, exatamente como Nelson Mandela descreve em sua biografia - “Long walk to freedom”.

Nesses lugares, a sociedade ainda é tribal. Há um chefe. Em Mvezo, o líder é Mandla Mandela, neto de Mandela. Mesmo nascido longe do berço do clã dos Madiba, ele decidiu ir em busca das origens. Há três anos, foi para lá e, naturalmente, com o sobrenome que carrega, tornou-se o chefe tribal. Quando fomos lá, ele não estava. É deputado federal e tinha compromissos no Parlamento, na Cidade do Cabo. Mandla segue os passos políticos do avô.

Conhecendo onde Madiba passou a infância e a adolescência é possível entender muito de sua essência: a simplicidade, a paz de espírito que ele passa. Nesses quase cinco meses morando na África do Sul, eu e o repórter cinematográfico Edu Bernardes tivemos a chance de ver Mandela três vezes. Podemos garantir que o simples olhar dele é diferente. Um homem raro. Um dos maiores personagens do século passado. Para os sul-africanos, um santo vivo.

Deixo o último parágrafo da biografia desse herói, no sentido literário da palavra: “Caminhei muito aqui. Mas ao olhar para trás e ver o quanto percorri, logo percebi que posso admirar isso por apenas alguns instantes. Há muito a ser feito. Olho para a frente e vejo o quanto ainda temos o que andar nesse longo caminho para a liberdade”.

Por Renato Ribeiro


Vista panorâmica da vila Qunu, local onde Mandela nasceu

a maioria das cabanas na vila de Qunu possui essa arquitetura

Tradição Xhosa mantida em pleno século 21: a maioria das cabanas na vila de Qunu possui essa arquitetura

Tradição Xhosa mantida em Qunu

Tradição Xhosa mantida em Qunu

as curandeiras pintam o rosto de branco

Reunião feminina dentro de uma das cabanas: as curandeiras pintam o rosto de branco

Pastoril de ovelhas é muito comum na região de Qunu

Pastoril de ovelhas é muito comum na região de Qunu

Morisse, de 78 anos, trabalha no campo

Morisse, de 78 anos, trabalha no campo

Irmão de Nelson Mandela

Irmão de Nelson Mandela


Meus amigos este é o meu resumo:

RESPEITO

"O respeito mútuo é a primeira condição de toda luta intelectual pela verdade, pela honra, pelo dever e pela pátria." (Rui Barbosa).

O respeito baseia-se na educação do espírito e na formação de um homem de caráter rijo e despido de preconceitos. Traduz-se na consideração e na atenção e deve-se rendê-lo não apenas aos superiores, mas, também a toda humanidade.

É próprio do homem forte, do homem dotado de caráter e de altivez moral. Une os seres honanos, fazendo da coletividade uma força harmoniosa que se transforma em couraça impenetrável aos aríetes da indisciplina, esta chaga que solapa as bases da humanidde.

5 comentários:

Dr. Fernandes disse...

RESPEITO

"O respeito mútuo é a primeira condição de toda luta intelectual pela verdade, pela honra, pelo dever e pela átria." (Rui Barbosa).

O respeito baseia-se na educação do espírito e na formação de um homem de caráter rijo e despido de preconceitos. Traduz-se na consideração e na atenção e deve-se rendê-lo não apenas aos superiores, mas, também a toda humanidade.

Eduardo Marculino disse...

Obrigado pela visita...
parabens pela grande matéria
um abraço

Anônimo disse...

isto é um resumo!!!
desculpa lá mas nao escrevas um texto

Giih Affonseca disse...

Parabés pelo texto.. muito bom.. apesar de ser apenas um resumo é muito mais completo do que os textos q achei..
Me ajudou muito a fazer meu trabalho sobre ele.
Obrigado!

olga disse...

Prezados;
Quando visitei o blog me encantei pela maneira simples que usaram para falar do líder Mandela. O blog revela a própria personalidade de Mandiba. É gratifante demais tomar conhecimento da vida e das lutas que Mandela travou para tornar a Africa do Sul um lugar de paz e igualdade entre todos os homens.
Amei o blog...irei visitá-lo mais vezes.

olga Maria Lima Pereira

Pelotas- rgs
doutoranda em Letras pela UCPel