("FUMUS BONI JÚRIS")

sábado, 10 de dezembro de 2011

O Engano das Gratificações e Programas na PMERJ



POEPP - AO INVÉS DE DAR UM AUMENTO DECENTE, NOSSO GOVERNADOR NOS DEU ESSE "CALA-BOCA" DE R$ 350,00. INATIVO NÃO RECEBE! ADOECEU? MORRA SEM R$ 350,00! TOMOU UM TIRO? SÓ LAMENTO! TEM QUE FAZER UMA CIRURGIA? É MELHOR FICAR A SUA DOENÇA...

TRISTE ESSA REALIDADE!!! UM AMIGO ESTÁ TRABALHANDO DOENTE, PEDINDO AO MÉDICO PARA NÃO DAR O IFP. QUE PORCARIA DE POEPP!!!!!

BOLSA FORMAÇÃO - OUTRO ENGODO PARA MATAR O POLICIAL DO CORAÇÃO! O POLICIAL TEM QUE SE SACRIFICAR PRA FAZER UM CURSO PELA INTERNET. A INSCRIÇÃO É MAIS DIFÍCIL QUE VIAJAR DE FOGUETE PRO ESPAÇO! DEPOIS ELE DESEMBOLSA DO MÍSERO SALÁRIO MAIS DE R$ 160,00 PARA DESPENCAR PRA O CENTRO DA CIDADE, PARA TIRAR 4 CERTIDÕES PARA PROVAR QUE ELE É POLÍCIA E NÃO BANDIDO!!! DEPOIS SE AJOELHA E PEDE A DEUS PARA OS COVARDES APROVAREM SEU REQUERIMENTO! MUITOS NÃO SÃO APROVADOS, PORQUE ELES INVENTAM UM MONTE DE IMPEDIMENTO PARA TENTAR MATAR O POLÍCIA DE INFARTO! OBS. EU RESUMI AS ETAPAS! É BEM MAIS DIFÍCIL QUE ISSO!!!!!

PROEIS - (RISOS) (KKKK) (RSRSRS) (AHSUAHSUA) ESSA BALELA DE PROEIS É PRA INGLÊS VER, OU MELHOR, OUVIR, PORQUE ONDE ANDA ELE? SÓ OS PEIXES CONSEGUIRAM SUA VAGUINHA. EU JA DESISTI DE ME CADASTRAR NESSA PORCARIA!!!!! MAIS UMA ISCA PARA O COITADO DO POLÍCIA MORDER E FICAR CHEIO DE ESPERANÇAS!!!

ACAUTELAMENTO DA PISTOLA .40 - VOCÊ AINDA ACREDITA? E O PAPAI NOEL, JÁ DESCEU DE TRENÓ NO SEU BAIRRO? JÁ BOTOU A MEIA NA JANELA DA SUA CASA?

É UMA FANFARRONAGEM ESSA PROMESSA DESCABIDA.

ATENÇÃO, SENHORES "DONOS" DA POLÍCIA, VAMOS PARAR DE ENGANAR A POLIÇADA! QUEREMOS SER TRATADOS COMO PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA PÚBLICA, E NÃO COMO MENINOS CATARRENTOS, ATRÁS DE UM CHICLETE!!!

ESSE É O POLICIAL QUE VOCÊS COLOCAM NAS RUAS PARA ATENDER A POPULAÇÃO!!!

PEC 300 - JÁ MEXERAM TANTO NELA QUE AGORA É A PEC 0,3!!! SE APROVAREM UM DIA NÃO VAI DAR PRA COMPRAR 1 KG DE BATATA! AH! PÁRA DE BLÁ BLÁ BLÁ! NÃO PRECISAMOS DESSA PORCARIA DE PEC! QUEM GOSTA DE PEC É POLÍTICO SAFADO, GASTADOR DO DINHEIRO PÚBLICO! QUEREMOS E EXIGIMOS SALÁRIO DIGNO DE UM SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL, DA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA, QUE LIDA DIARIAMENTE COM A VIDA E A MORTE!!! QUEREMOS AUMENTO REAL DE SALÁRIO!!!

QUEREMOS DIGNIDADE!!!

AUMENTO CASAS BAHIA - UM RIDÍCULO AUMENTO, PARCELADO EM "UM MILHÃO" DE VEZES!!! MENOS DE 1% (!!!!!!) AO MÊS! E AINDA CORTADO AO MEIO, PORQUE O BONZINHO NOS DEU 5,(QUALQUER PORCARIA) DE AUMENTO ANTECIPADO, MAS JÁ DESCONTOU. QUE DROGA DE AUMENTO! UM VERDADEIRO ATESTADO DE BURRO AO POVO CARIOCA E UMA AFRONTA AO POLICIAL MILITAR QUE TANTO DÁ SEU SANGUE POR ESSA CIDADE E POR ESSA POPULAÇÃO.

Ô PROFISSÃOZINHA DESGRAÇADA! A GENTE SÓ SE FERRA E NINGUÉM VALORIZA!!!

CARTÃO GREEN CARD - ESSE AQUI É PRA FECHAR COM CHAVE DE OURO! O NOME É MUITO BONITO, PARECE COISA DE BACANA! MAS O VALOR DÁ VERGONHA DE DIZER PROS PARENTES. NÃO POSSO AFIRMAR SE IREMOS GANHAR ESSE ANO NOVAMENTE, MAS NO ANO ANTERIOR, GANHAMOS NO FINAL DO ANO, COMO PRÊMIO DE FINAL DE ANO, NO LUGAR DA CESTA DE NATAL, NO VALOR DE R$ 100,00. ISSO MESMO, VOCÊ NÃO LEU ERRADO! EU DISSE CEM REAIS!!! EU TIREI MAIOR ONDA, COMPREI PERU, PERNIL, BACALHAU DO PORTO, AZEITE EXTRA VIRGEM, TENDER, AZEITONA DE TUDO QUE É COR, PANETONE, CASTANHA DE TODOS OS ESTADOS... DEPOIS EU ACORDEI!!!

ERA SONHO. AÍ FUI NO GUANABARA E INTEIREI AS COMPRINHAS DO MÊS QUE MEU MÍSERO SALÁRIO NÃO DEU CONTA!!!!!

TIREM SUAS PRÓPRIAS CONCLUSÕES. NÓS IREMOS TE ATENDER QUANDO VOCÊ LIGAR 190!!!!!

Blitz Policial: O que fazer?

Aqui vão algumas dicas para quando você for parado em uma blitz policial:

Importante: " Nem mesmo o policial mais treinado do mundo é capaz de saber se o carro que está passando na rua acaba de ser roubado ou se ele está transportando drogas ou armas, se tem algum refém de um crime, se o motorista está sendo sequestrado..." É para isso que a blitz existe. Para proteger o cidadão tirando armas, drogas e marginais de circulação.

Quando você for parado em uma blitz, pode ficar tranquilo. A polícia está trabalhando para dá segurança à você. Lembre-se: quem não gosta e tem medo de polícia é marginal!

Ajude a polícia a ajudar você!

Quando você se deparar com uma Operação Policial:

- Diminua a velocidade e apague os faróis (todos);

- Acenda a luz interna;

- Abra os vidros do carro (todos);

Se você for parado:

- Mantenha a calma;

- Deixe suas mãos visíveis;

- Obedeça ao comando do policial.

Você tem direito de:

- Ter acesso ao comandante da operação e pedir informações sobre os procedimentos;

- Ser revistado por um policial do mesmo sexo que você;

- Acompanhar a revista do seu carro.

Pense nisso:

- Quem não deve, não teme;

- Não se assuste com as armas dos policiais, elas servem para resguardar a segurança de todos nós;

- O policial está arriscando a sua própria vida para preservar a sua e da sua família, valorize o seu trabalho e respeite-o;

- Ser revistado ou ter seu carro revistado, não é um constrangimento. Faz parte do trabalho da Polícia e tem amparo legal.

E não esqueça de estar sempre devidamente documentado e manter-se calmo diante da abordagem policial.



sábado, 3 de dezembro de 2011

Palavra sincera.

A todos os amigos.


                                                                     
Palavra sincera.


É impossível não sermos contagiados pela tristeza, numa hora em que, compelidos pela fluidez da vida, somos levados a novos cursos, novas sendas, novos caminhos. É inevitável pensarmos em quem fica e na possibilidade de a vida não nos oferecer outra chance de convivência, feliz, amizade sincera, compromissos legítimos e vamos... pois somos co...mo água, que não se pode deter, reter entre os dedos, impedir que flua sem parar, até encontrar o seu destino.

Que prêmio maravilhoso foi poder conhecer esta realidade de pessoas que entusiasmadas, competentes, sinceras, cheias de expectativa, optam pela dedicação de suas vidas na esperança de um novo amanhã, confiam e tem a certeza de poderem contar com a justiça, para lhes garantir assistência devida, ainda em vida. Mães, filhos e filhas, que esperam e confiam em receber como resultado de seu trabalho, uma nova política social e a reparação daquilo que lhes foi tirado, mesmo sabendo serem perdas irreparáveis pela má administração sócio-politico econômica.

Meus planos foram grandes, minha vontade de me aproximar das reais necessidades da equipe; dos colêgas de turma foi ainda maior, mas, se por um lado tive apoio, por outro tive que conspirar contra meus objetivos o tempo, que, curto, impediu que eu pudesse fazer mais.

Deixo claro, contudo, que foi extremamente gratificante participar com vocês. Levo no meu coração o eterno agradecimento, aos meus amigos, que, em condições adversas, nunca esmoreceram ou deixaram de dar o melhor de si. Finalizo, agradecendo a Deus por ter me mantido sensível ao amor, a amizade, a solidariedade. Por ter mantido o meu "norte", o "norte" de um menino que um dia participou de uma turma acadêmica, afim de melhorar o mundo.

Abraços do Fernandes!!!

.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

ORAÇÃO DO POLICIAL MILITAR



Senhor, a maioria dos homens não se percebe que enquanto trabalha, diverte-se, transita pelas ruas ou descansa em seu lar, nós estamos velando para que sua tranqüilidade não seja perturbada e nem os seus direitos preteridos.

Vós bem sabeis quão árdua e difícil é a nossa missão, quase sempre incompreendida, até por aqueles para quem estamos trabalhando e por eles, muitas vezes, expondo a perigo nossas próprias vidas.

Humildemente aceitamos a incumbência que Vós nos confiastes nesta Terra e Vos pedimos misericórdia pelos que nos criticam, atacam e injuriam, quando primamos pelo respeito à Lei e à Ordem.

Ao partirmos para o trabalho, cônscios dos deveres a cumprir, pedimo-vos que nos proteja com Vossas Bênçãos para que possamos voltar ilesos para junto de nossa família, ao término do serviço. Porém se não for esta a Vossa vontade e formos feridos ou mortos no cumprimento do dever, recebei a nossa dor e acalentai o nosso espírito; daí aos nossos familiares a consolação, a fé e a esperança da ressurreição, para que possamos descansar em paz.

Daí, Senhor, a suficiente coragem a todos aqueles policiais-militares que nos hão de suceder, para que façam do cumprimento do dever apanágio de suas personalidades.

Acobertai a sociedade humana nesta Terra com Vossa Paz, para que o crime, violência, a desordem e todos os atos lesivos à Ordem Pública sejam substituídos pelo amor, pela fraternidade e pela compreensão mútua dos homens, a fim de que esta profissão de policiar, que nos confiaste, transforme-se no apostolado de proclamar a Vossa Glória. Que nas faces dos nossos irmãos, envoltas hoje em lágrimas e desespero, frente á violência dos homens, nasça o sorriso e resplandeça a Vossa Luz.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Por quê Não comemorar o Natal?


Breve comentário sobre os motivos que os cristãos têm para não comemorar o Natal:

O natal de Jesus não tem mais nenhum sentido profético pois na verdade todas as profecias que apontavam para sua primeira vinda à terra já se cumpriram. Agora nossa atenção deve se voltar para sua Segunda vinda.

A festa de natal traz em seu bojo um clima de angústia e tristeza, o que muitos dizem ser saudades de Jesus, mas na verdade é um espírito de opressão que está camuflado, escondido atrás da tradição romana que se infiltrou na igreja evangélica, e que precisamos expulsar em nome de Jesus.

Jesus não nasceu em 25 de dezembro. Esta data foi designada por Roma numa aliança pagã no século IV. A primeira intenção era cristianizar o paganismo e paganizar o cristianismo, de acordo com o calendário Judaico Jesus nasceu em setembro ou outubro.

A igreja do Senhor está vivendo a época profética da festa dos tabernáculos, que significa a preparação do caminho do Senhor, e, se você prepara o caminho para Ele nascer, não prepara para Ele voltar.

O natal é uma festa que centraliza a visão do palpável e esquece do que é espiritual. Pra Jesus o mais importante é o Reino de Deus que não é comida nem bebida, mas justiça e paz no espírito.

Vejamos ainda os símbolos que representam o Natal, origem e significado:

Árvore de natal é de origem germânica, datando o tempo de São Bonifácio, foi adotada para substituir o sacrifício do carvalho de ODIM, adorando-se uma árvore em homenagem ao Deus menino. Leia a bíblia e confira em Jeremias 10:3,4; I Reis 14:22,23; Deuteronômio 12:2,3; II Reis 17:9,10; Isaías 57:4,5; Deuteronômio 16:21 e Oséias 4:13.

Árvore de Natal – é um ponto de contato que os demônios gostam. No ocultismo oriental os espíritos são invocados por meio de uma árvore.

Os adereços (enfeites) de natal são verdadeiros altares de deuses da mitologia antiga que (que são demônios).

As velas acendidas – faz renascer o ritual dos cultos ao deus sol.

As guirlandas – são símbolos da celebração memorial aos deuses, significam um adorno de chamamento e legalidade da entrada de deuses.

A Bíblia nunca anunciou que Jesus pede guirlandas, ou que tenha recebido guirlandas no seu nascimento, porque em Israel já era sabido que fazia parte de um ritual pagão.

O presépio – seus adereços estão relacionados diretamente com os rituais ao deus-sol. É um altar de incentivo à idolatria, que é uma visão pagã.

O presépio é um altar a Baal, consagrado desde a antiga babilônia. É um estímulo à idolatria! Os adereços encontrados no chamado presépio são simbologias utilizadas na festa do deus sol. O Presépio estimula a veneração das imagens e alimenta a idolatria… Em Êxodo 20:1-6, lemos:- “Então falou Deus todas estas palavras, dizendo: Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagem esculpida, nem figura alguma do que há em cima no céu, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás diante delas, nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam e uso de misericórdia com milhares dos que me amam e guardam os meus mandamentos.”; em I Cor 10:14-15 está escrito: “Portanto, meus amados, fugi da idolatria. Falo como a entendidos; julgai vós mesmos o que digo.”

No Brasil a abertura da comemoração do Natal é feita com uma famosa “Missa do Galo”, a qual é celebrada sempre diante de um presépio, um “altar consagrado”, cujas figuras estão relacionadas com a Babilônia, e não com a realidade do Evangelho.

A Palavra de Deus nos manda fugir da idolatria (I Coríntios 10:14,15; Gálatas 5:19,21).

Papai Noel – é um ídolo, um santo católico chamado Nicolau, venerado pelos gregos e latinos em dezembro, sendo que sua figura é a de um gnomo buxexudo e de barba branca. O gnomo de acordo com o dicionário Aurélio é um demônio da floresta.

Ainda amais: O velho “Noel” não é tão bondoso e santo quanto muitos pensam! O nome “Papai Noel” é uma corruptela do nome “São Nicolau”, um bispo romano que viveu no século V. Na Enciclopédia Britânica, vol.19 páginas 648-649, 11ª edição inglesa, consta o seguinte: “São Nicolau, bispo de Mira, um santo venerado pelos gregos e latinos no dia 6 de dezembro… A lenda de suas dádivas oferecidas as escondidas, de dotes, às três filhas de um cidadão empobrecido…” Daí teria surgido a prática de se dar presentes “as escondidas” no dia de São Nicolau (6 de dezembro). Mais tarde essa data fundiu-se com o “Dia de Natal” (25 de dezembro), passando a se adotar também no natal essa prática de se dar presentes “às escondidas”, como o fazia o Saint Klaus (o velho Noel!). Daí surgiu a tradição de se colocar os presentes às escondidas junto às árvores de natal!

Troca de presentes – na mitologia significa eternizar o pacto com os “deuses”.

Ceia de Natal – um convite à glutonaria nas festas pagãs ao deus-sol o banquete era servido a meia –noite.

O natal se tornou um culto comercial que visa render muito dinheiro. Tirar dos pobres e engordar os ricos. É uma festa de ilusão onde muitos se desesperam porque não podem comprar um presentinho para os filhos.

Esta festividade está baseada em culto à falsos deuses nascidos na Babilônia. Então, se recebemos o natal pela igreja católica romana, e esta por sua vez recebeu do paganismo, de onde receberam os pagãos? Qual a origem verdadeira?

O natal é a principal tradição do sistema corrupto, denunciado inteiramente nas profecias e instruções bíblicas sobre o nome de Babilônia. Seu início e origem surgiu na antiga Babilônia de Ninrode. Na verdade suas raízes datam de épocas imediatamente posteriores ao dilúvio.

Ninrode, neto de Cão, filho de Noé, foi o verdadeiro fundador do sistema babilônico que até hoje domina o mundo - Sistema de Competição Organizado - de impérios e governos pelo homem, baseado no sistema econômico de competição e de lucro. Ninrode construiu a Torre de Babel, a Babilônia primitiva, a antiga Nínive e muitas outras cidades. Ele organizou o primeiro reino deste mundo. O nome Ninrode, em hebraico, deriva de “Marad” que significa “ele se rebelou, rebelde”.

Sabe-se bastante de muitos documentos antigos que falam deste indivíduo que se afastou de Deus. O homem que começou a grande apostasia profana e bem organizada, que tem dominado o mundo até hoje.

Ninrode era tão perverso que se diz que casou-se com sua mãe, cujo nome era Semíramis. Depois de sua morte prematura, sua mãe-esposa propagou a doutrina maligna da sobrevivência de Ninrode como um ente espiritual. Ela alegava que um grande pinheiro havia crescido da noite para o dia, de um pedaço de árvore morta, que simbolizava o desabrochar da morte de Ninrode para uma nova vida.

Todo ano, no dia de seu aniversário de nascimento ela alegava que Ninrode visitava a árvore “sempre viva” e deixava presentes nela. O dia de aniversário de Ninrode era 25 de dezembro, e esta é a verdadeira origem da “árvore de natal”.

Por meio de suas artimanhas e de sua astúcia, Semíramis converteu-se na “Rainha do Céu” dos babilônicos, e Ninrode sob vários nomes, converteu-se no “Divino Filho do Céu”. Por gerações neste culto idólatra. Ninrode passou a ser o falso Messias, filho de Baal: o deus-sol. Nesse falso sistema babilônico, “a mãe e a criança” ou a “Virgem e o menino” (isto é, Semíramis e Ninrode redivivo) transformaram-se em objetos principais de adoração. Esta veneração da “virgem e o menino” espalhou-se pelo mundo afora; o presépio é uma continuação do mesmo em nossos dias, mudando de nome em cada país e língua. No Egito chamava-se Isis e Osiris, na Ásia Cibele e Deois, na Roma pagã Fortuna e Júpiter, até mesmo na Grécia, China, Japão e Tibete, encontra-se o equivalente da Madona (minha dona ou minha senhora), muito antes do nascimento de Jesus Cristo.

Esta festa não glorifica a Jesus pois quem a inventou foi a igreja católica romana, que celebra o natal diante dos ídolos (estátuas). Jesus é contra a idolatria e não recebe adoração dividida.

Comemoramos o Natal com consciência de quem é Jesus e do que Ele fez por nós. Sabemos que Jesus é eterno, que no princípio Ele era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus (João 1:1). Compreendemos que o homem Jesus foi a encarnação do Filho de Deus, e que todas as coisas (o Universo) foram feitas por intermédio dele (Jesus), e sem ele nada do que foi feito se fez (João 1:3).

Assim, o Natal não se comemora somente na segunda quinzena de dezembro, mas durante todo o ano. Não se comemora comendo, bebendo ou comprando presentes compulsivamente. O Natal se comemora servindo a Deus, adorando, louvando ao Senhor e Salvador Jesus Cristo.

PROCEDIMENTO PRÁTICO

Temos um Deus que transforma maldição em bênção. Agora não somos mais ignorantes quanto a festividade iniciada na Babilônia. Qual deve ser então nosso procedimento prático?

1 - Lançar fora toda dependência sentimental da data do “sol invictus” ( 25 de dezembro ).

2 - Instruirmos nossos filhos e discípulos: “conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. João 8:32 – Nos livrarmos de todo enfeite com motivos natalinos pois sabemos suas origens.

3 - Não ficarmos sujeitos financeiramente à comidas importadas típicas. É um dia como outro qualquer.

4 - Resistirmos ao espírito satânico de gastos no natal, principalmente se houverem dívidas. Vigiar as “ofertas do papai noel”. Só devemos comprar o necessário. Mamon, demônio das riquezas, criou dependência na mente humana onde as pessoas têm de estar nas festividades de fim de ano com casa nova, roupa nova, etc.

5 - Devemos aproveitar a data (Andai em sabedoria para com os que estão de fora, usando bem cada oportunidade. Colossenses 4:5) para estar com parentes e amigos em suas casas, falando da necessidade do nascimento de Jesus em seus corações, pois este é o verdadeiro presente que o “aniversariante” quer receber. É um propício momento evangelístico, quando encontramos pessoas com o coração aberto para ouvir de Jesus.

6 - Entender que a maioria dos crentes não visualiza a situação do natal, preferindo viver segundo seus sentimentos e tradições.

7 - Não confundir Passagem do Ano com Natal. Não é errado desejar feliz Ano Novo para alguém, mas sim, Feliz Natal. Podemos usar algumas expressões: Que Jesus nasça no seu coração (ou na sua vida)!


“ E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação de vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa , agradável, e perfeita vontade de DEUS. ” (Romanos 12: 2).


E AGORA? Comente.

Biblografia:

Bíblia explicada Scofild. CPAD

Bíblia de Estudo Pentecostal – Almeida Revista Corrigida

Bíblia de Estudo Batalha Espiritual – Ed. Central Gospel

As Catacumbas de Roma – Benjamim Scott - CPAD

Sai dela povo meu – Reicenbach Reinaldo. Ed. Positiva

Net: www.pregaapalavra.com.br/mensagens/natal.htm

proecd.blogspot.com

Centro Apologético Cristão de Pesquisas

terça-feira, 18 de outubro de 2011

(ESPARTANOS) E Tan E Epi Tas – “Com o meu escudo ou sobre ele”



OS ESPARTANOS - “A lança deles era forte, a música deles era suave, entre eles a justiça tinha um lugar honrado”



“Este é o meu escudo.
Em combate, eu o levo à minha frente,
mas ele não é só meu.
Protege o meu irmão à minha esquerda.
Protege minha cidade.
Nunca deixarei meu irmão
fora de sua proteção
nem minha cidade sem o seu resguardo.
Morrerei com o meu escudo em minha frente
enfrentando o inimigo.”

E Tan E Epi Tas – “Com o meu escudo ou sobre ele”

Ao se tratar do tema Cultura Marcial, é impossível prescindir de falar de Esparta e dos espartanos. Homens valentes que nunca perguntavam quantos eram o inimigo, mas somente, onde estavam. O termo espartano se tornou ao longo do tempo sinônimo de bravura, de disciplina e de guerreiro.

Esparta foi uma cidade-estado situada no Peloponeso, Grécia. Ao contrário de suas irmãs helenas, que ostentavam grandes edifícios, monumentos, estátuas, escritos e filósofos, Esparta tinha para oferecer apenas espartanos e o seu ideal de vida, um ideal de bravura, de honra e de valor.

Mesmo nunca tendo ultrapassado os 50.000 habitantes, dos quais apenas 8.000 considerados verdadeiros espartanos, essa cidade conseguiu sustentar durante séculos a hegemonia na Hélade, graças à determinação de seus homens e mulheres. Dizia-se que o seu sucesso bélico se devia menos ao fato de serem melhores guerreiros do que os demais gregos do que a estarem mais acostumados a suportar os dissabores da guerra. Onde a psiquê de outros homens se desmantelava a dos espartanos se regozijava.

Grande parte do que chega aos dias atuais da história sobre os guerreiros espartanos é por meio de contos sobre seu estilo de vida e seus feitos heróicos, que muitas vezes chegam a parecer sobre-humanos, quando analisados pelo prisma da civilização atual. O que muitas vezes escapa nas narrativas dos historiadores antigos e modernos são os motores que permitiram aos espartanos levar essa forma de vida.

Os reis de Esparta diziam-se descendentes diretos de Herácles e sempre governavam aos pares. Havia um rei para a paz, que cuidava dos assuntos políticos e administrativos do Estado, e um rei para a guerra, que liderava as constantes campanhas militares da cidade.

A atividade dos reis era controlada por cinco magistrados, denominados “Éforos”, a respeito dos quais as informações são parcas, sabendo-se apenas que eram iniciados e que conduziram o processo de formação de Esparta.

No processo de transição entre a Esparta que era uma cidade grega como outra qualquer, que se observa nos relatos sobre a guerra de Tróia e seu rei espartano Menelau, marido de Helena, e a Esparta de Leônidas, que ficou conhecida, dentre outros episódios, pelo dos Trezentos e as Termópilas, houve um rei que teve papel preponderante: Licurgo (Likurgus).

LICURGO (O ESPANTA LOBOS)


A característica bélica e disciplinada de Esparta não surgiu aleatoriamente. Até chegar a toda a sua potência, os povos da Lacônia — região da península do Peloponeso — eram organizados em tribos e coligações e começaram a adquirir as características de um povo coeso depois das migrações Dóricas do séc. IX a.C.

Nesse contexto, os reinados e as sucessões eram muito conturbados, e a luta pelo poder era constante. Foi nesse momento histórico que nasceu Licurgo, figura-chave da história espartana. Conta-se que Licurgo era um líder nato que se tornou dirigente na figura de regente no reinado de seu sobrinho, que não tinha idade suficiente para assumir o trono.

Segundo Plutarco, depois que seu sobrinho adquiriu idade para reinar, o povo clamou por Licurgo, pedindo que este não deixasse o poder. Incomodado com a situação que entendia ser pouco ética, deixou o poder para seu sobrinho e foi para Delphos consultar o deus Apolo. Pediu ao deus permissão para formar uma constituição digna de seu povo, tendo obtido resposta favorável. Licurgo então viajou por várias partes do mundo, coletando informação sobre os diversos povos da época e, depois de muitos anos, retornou a Delphos pronto para implantar novas medidas junto a seu povo.

Pediu novamente conselhos ao Deus, que lhe deu as indicações necessárias para cumprir seu intento. Retornou a Esparta e lá foi aclamado por seu povo. Em conjunto com alguns ilustres cidadãos, formulou as famosas “leis de Licurgo”, colocando-as em vigência e se preocupando mais com a aplicação da mentalidade de união e vivência das virtudes do que com as leis propriamente ditas, o que, segundo Plutarco e outros cronistas, foi o grande segredo de seu sucesso.

Foi então reformulada a cúpula do Estado, criando-se então o senado (gerusia), composto por 28 membros ilustres acima de 60 anos e os dois reis, e a assembléia do povo (apella). Na assembléia, somente os reis e os senadores podiam propor medidas. Para regular esse poder havia um colegiado de cinco éforos, com a função de observar e manter o poder dos reis e senadores dentro da mentalidade espartana. A palavra éforo vem do vocábulo “ephoriuo” que significa “supervisionar”.

A segunda reforma de Licurgo foi a partilha de terras. O país era um patrimônio comum, e as terras eram divididas igualmente sendo a luta pelas posses banida, e a busca da virtude o único objetivo restante.

Em seguida, aboliu as moedas de ouro e prata e instituiu as de ferro, atribuindo-lhes um valor insignificante em relação ao peso, de tal maneira que uma quantia considerável significava um peso absurdo de se carregar. O aço das moedas deveria ser de tal maneira isento de valor real que, assim que rubro, Licurgo mandava que fosse temperado no vinagre, tornando-o quebradiço e impossível de ser trabalhado.

Como a moeda não tinha valor entre os outros gregos, aos poucos o interesse dos estrangeiros nos negócios de Esparta e dos espartanos foi desaparecendo, da mesma forma que o dos espartanos em adquirir objetos no estrangeiro. Ninguém que visasse a dinheiro, a enriquecimento pessoal ou a vantagem para si passava perto da Lacedemônia.

Para acabar de vez com o luxo, Licurgo fez a terceira reforma. Estipulou que os cidadãos deveriam se reunir para compartilhar o pão e o bocado que lhes foi instituído por lei e assim estipulou as refeições em comum (Syssitias). Foi-lhes proibido comer em casa, o que descaracterizou a necessidade de acumular bens, já que ninguém iria vê-los. Também com essa reforma, comer de menos ou demais passou a ser notado por todos, que acabariam censurando o cidadão que estivesse cedendo aos ditames do corpo.


Para finalizar suas reformas, Licurgo se recusou a escrever suas leis, argumentando que só teriam valor se estivessem bem incorporadas no costume do povo pelo exercício continuado, devendo ser consideradas mais como uma tradição do que como uma legislação. As pessoas deveriam buscar suas leis, não estas determinar o que as pessoas são. Essas leis, segundo Licurgo, seriam despertadas no jovem através da educação.


A educação, segundo Licurgo, é a mais bela e importante tarefa do legislador. Dentro do Estado espartano, a formação guerreira sempre teve papel de destaque. Pensando no bem do Estado, estipulou que os filhos dos espartanos não lhes pertenciam, mas sim ao Estado, essa mentalidade, por mais que aos olhos modernos possa parecer um tanto estranha, gerou uma mentalidade de união tão grande, que um espartano se considerava ao mesmo tempo pai, filho e irmão de todos.

Tal mentalidade deu à formação espartana uma conotação bem peculiar, pois cada indivíduo não visando à sua sobrevivência, mas sim à sobrevivência do Estado, deixava o melhor de si para o futuro, o que era o ideal de todo o cidadão espartano.

PHOBOLOGIA


Os espartanos talvez tenham sido os maiores, dentre todos os povos guerreiros, no estudo, na compreensão e no domínio do medo. Faziam disso uma ciência, denominada phobologia e desenvolviam técnicas e treinamentos específicos para trabalhar com o medo, tanto no que se refere a dominar o seu medo e não ser por ele dominado, quanto a infundir o terror no inimigo.

A Ciência do Medo


Em qualquer conflito físico, especialmente dentro de uma batalha, é indiscutível a presença de Phobos, o medo, Sabe-se hoje, pelos estudos da psicologia moderna, que o medo é um mecanismo de defesa do ser humano que permite, através da liberação de hormônios como a adrenalina, uma melhor resposta do corpo ante qualquer ação que atente contra a sua integridade. É, portanto, um mecanismo de preservação da vida.

Porém, também é a porta de entrada para o pânico, que paralisa as funções do corpo, levando-o à morte. O pânico é o contrário do medo e aparece quando este não é dominado, da mesma forma que uma simples gripe evolui para uma pneumonia se não tratada adequadamente.

Já possuindo esses conhecimentos em sua época, os espartanos eram especialistas no estudo do medo, a Phobologia, segundo eles. O quotidiano de Esparta já trabalhava constantemente com o controle do medo, havendo inclusive leis nesse sentido, por exemplo, dentre tantas outras: proibição de lamparinas e tochas durante a noite para iluminar os caminhos. Os espartanos deviam retornar a suas casas no escuro desde pequenos, ao sair de suas aulas nas syssitias. Ou a determinação de se enterrar os mortos perto dos templos para que a visão da morte fosse algo natural para os jovens.

Um dos pontos principais da phobologia espartana era o constante contato com o medo para que quando ele aparecesse, não fosse algo estranho e desconhecido. Por isso, os treinamentos e punições na formação de Esparta eram de uma rigidez impressionante.

Contavam que o medo podia ser um poderoso aliado, já que os inimigos também o sentiam. Por isso, a estrutura cerrada da falange espartana, a panoplia — denominação de seu equipamento de guerra — e a organização espartana tinham a função de infundir o medo no oponente.

Um dos princípios da phobologia era o de retirar de si o medo. Para isso, eram incentivados dois aspectos importantes da formação espartana: os cantos, que incitando a coragem e os grandes feitos enchiam o coração dos guerreiros de glória pela busca da honra; e o bom humor, cultivado em todos os momentos da vida espartana sendo o melhor método para combater o medo. Por isso a prática da mortificação era tão importante na formação dos jovens, já que estes só passavam na prova quando mostravam que o humor podia vencer as tendências instintivas. A arte dos cantos, do humor e o conhecimento de técnicas de respirações eram os pilares da Tetrathesis, os ensinamentos da aphobia.

Dentro da phobologia existem três formas de atuar apesar do medo, sendo estas a porta de entrada, em seus devidos graus, para andreia, a coragem guerreira, que nada mais é que o caminho para a extinção do medo, que só é possível com a presença de seu contrário, ponto culminante da filosofia guerreira espartana.

O primeiro patamar da luta contra o medo é o “agir apesar do medo”. Contam algumas crônicas de guerra que, quando um guerreiro se vê obrigado a lutar pela própria vida em meio à visão constante da morte ao seu redor e das atrocidades da batalha, entra num estado de amortecimento mental chamado pelos espartanos de katalepsis ou possessão. Nesse estado, o guerreiro age unicamente por instinto ou por pânico, sem inteligência ou prudência, simplesmente luta sem recear qualquer conseqüência, é a conhecida “loucura da guerra” a que se referem os cronistas das guerras modernas. No estado de katalepsis, o guerreiro podia realizar grandes feitos, mas nunca eram reconhecidos por coragem e valentia, pois aquele estado é próprio dos animais encurralados que, sem ter qualquer alternativa, se lançam ao combate por mero instinto de sobrevivência. Em Esparta esse estado era criticado e não louvado.

O segundo patamar da phobologia é o “vencer o medo”. Devido à forma de vida dos espartanos e da eterna busca pela virtude de que Licurgo incumbiu seus cidadãos, o medo de desonrar seus pais, seus familiares, seus amigos, e a si mesmos e sua cidade era mais incisivo do que o medo da morte na guerra. Por isso, há muitos relatos de guerreiros que preferiam morrer em combate ao invés de retornar à pátria subjugados pelo adversário. Por mais que esse agir seja mais nobre do que a katalepsis, já que nele se encontra uma racionalização e não um mero instinto, ainda assim é agir por medo e não pode ser confundido com andreia, a virtude guerreira por excelência, que gera condições para suprimir o medo.

O terceiro patamar da phobologia, diferente do agir por medo da desonra é o “agir por cobiça de glória”. Por ser uma atitude mais nobre e mais adequada aos padrões de comportamento humano, era muito louvada em Esparta por estar muito mais perto de andreia do que as anteriores, manifestando-se em atos de bravura incomuns, nos indivíduos que conseguiam desenvolver esse patamar. Segundo os relatos históricos, era esse o espírito presente nos ganhadores olímpicos, que tinham como recompensa o privilégio de lutar ao lado do rei como seu protetor. Plutarco conta que um comerciante quis oferecer riquezas a um espartano que ganhara o concurso olímpico, e este recusou sua oferta; indignado, o comerciante lhe perguntou o porquê de tanto esforço, já que não haveria recompensa, e o espartano respondeu que sua única recompensa seria lutar ao lado do rei!

Por mais que essa mentalidade coloque os guerreiros num grau de bravura sobre-humano e lhes possibilite desenvolver feitos memoráveis, a cobiça por glória ainda é um ato egoísta e não pode ser própria dos Deuses. Já que phobos — o medo — sendo próprio do mundo da matéria nasce da carne, tendo o corpo como sua fábrica, a aphobia — o destemor — é própria do divino e tem na virtude seu nascimento. O guerreiro que desenvolvesse essa mentalidade era coberto de honras, pois desenvolvia no mundo concreto uma característica divina, sendo esse o principio para se denominar uma pessoa como semi-Deus.

As tradições indicam que a essência da virtude guerreira está no feminino, sendo justamente o feminino que impulsiona os atos nobres, em todas as tradições. Isso pode ser claramente observado nos contos antigos, medievais e contemporâneos, assim como no próprio gênero das palavras utilizadas pelos espartanos para denominar a coragem guerreira: andreia, e o destemor: aphobia, enquanto denominavam de forma masculina o medo: phobos, e o temor: tromos.

Para um espartano o exemplo dessa bravura superior estava justamente na figura feminina de suas mães e esposas, pois nada mais natural ao feminino que proteger sua prole. Era muito marcante para os guerreiros espartanos verem suas mães, esposas e filhas os observarem a caminho da morte e permanecerem impassíveis, subjugando seus instintos e doando o que tinham de mais precioso para algo maior, o Estado.

É justamente nesse ponto que surge o quarto e último patamar que leva à aphobia: “o domínio”. É justamente quando se consegue calar os instintos e tendências que se expressa o que existe de melhor em cada um. Esse domínio, projetado no combate, coloca o guerreiro num patamar superior ao comum. Nesse estado, ele domina todas as reações de seu corpo de forma inteligente e não sofre com as influências do combate, entrando em contato com andreia, pois nada há de egoísta em seus atos já que nada do que faz se reflete em si mesmo. Esse estado só pode ser alcançado quando as ações são direcionadas a algo maior, a um ideal que, por ser transcendente e arquetípico, é próprio do divino, sendo o ponto de contato do guerreiro com os Deuses.

Esse é o ponto máximo do guerreiro, quando ele age não por si, mas por algo maior, sem se preocupar consigo mesmo. Esse estado só pode ser vivenciado quando está presente no íntimo do guerreiro um amor profundo por seu ideal, e é justamente o amor, para os espartanos, o contrário do medo, o ponto mais alto e mais cheio de glória a que um ser humano pode chegar através da doutrina da guerra, simbolizado na mitologia pela união íntima de Afrodite, o amor, com Ares, a guerra. Somente o amor pode vencer o medo. Portanto, aquele que luta, ao mesmo tempo, nutre grande amor por todos que estão ao seu lado, inclusive por seu inimigo.

Talvez seja por esse amor que os espartanos tenham realizado os feitos heróicos que realizaram. Talvez seja por isso que quanto mais se conhece desses nobres guerreiros, mais eles fascínio exercem. E, certamente, é por esse amor ao seu ideal de coragem e de virtude que a civilização Grega foi protegida veementemente tantas vezes por seus cidadãos, proporcionando que o mundo moderno seja como é hoje.

Treinamentos e técnicas


Dentro da phobologia dos espartanos, várias técnicas eram treinadas para controlar o seu medo e empregadas para infundir medo nos adversários. Uma delas era polir à exaustão seus escudos, elmos e as pontas das lanças, que mediam trinta centímetros. Ao longe, as armas dos espartanos, polidas como espelhos, refletiam o sol de maneira cintilante, dando a impressão ao inimigo que sua formação era composta mais de bronze e ferro do que de homens.

Era visível a diferença entre a formação de outros exércitos e a dos espartanos. Enquanto aquelas pareciam ouriços, com as lanças trêmulas chegando a tocar-se, reproduzindo de forma amplificada o som dos próprios dentes dos soldados, que batiam de medo, o tremor das plumas dos elmos encarregava-se de conferir um aspecto visual ao medo. Dentre os espartanos, viam-se lanças perfeitamente alinhadas na posição vertical, imóveis, denotando a segurança de quem iria destruir o inimigo, o que só fazia causar neste medo profundo. Inclusive a posição das lanças espartanas guardava um significado: quando estavam em guerra, deixavam as lanças para cima, ao passo em que quando estavam em paz, as lanças apontavam para baixo.

Sobre os elmos dos espartanos, havia uma altiva crista de crina de cavalo, que tinha por objetivo dar a impressão de uma estatura mais elevada e intimidadora do que a que tinham e ainda lhes conferia um aspecto de terror difícil de ser transmitido em palavras.

Também o desenho dos seus elmos fazia parte desse teatro de horror. As fendas para os olhos, que não permitiam que estes fossem vistos, com a proteção nasal de bronze da largura de um dedo e as largas maçãs do rosto, lhes davam o aspecto de uma falange de autômatos, de criaturas desalmadas, vindas diretamente do inferno, do Hades, para disseminar a morte de forma impiedosa. Seres indestrutíveis e impávidos que cairiam sobre o inimigo para dizimá-lo cruelmente.

Para o controle do seu próprio medo, os espartanos desenvolveram técnicas de treinamento, compreendendo vinte e oito exercícios, cada um deles focando um nexo do sistema nervoso. Os cinco nexos primários são os joelhos e jarretes, pulmões e coração, a genitália e intestinos, a parte inferior das costas, e a área dos ombros, sobretudo os músculos trapézios, que unem a articulação do ombro ao pescoço.

Um treinamento específico para isso era bater com um ramo de oliveira no rosto do soldado, até que seus músculos da face, dos ombros e trapézios não mais se contraíssem involuntariamente. Também se tocavam os pontos ao redor dos olhos, região que concentra mais medo em todo o corpo humano, tendo o reflexo defensivo mais alerta para proteger a visão. Esses reflexos deviam ser descondicionados, para que, numa atitude consciente, o soldado espartano não mais reagisse e nem sequer piscasse diante de um golpe.


Outra técnica bastante utilizada na Lacedemônia para o domínio do medo era o canto, pois que diretamente relacionado ao coração (onde reside a coragem) e aos pulmões (que vão permitir o controle da respiração). Os guerreiros lacedemônios sempre cantavam ao avançar para o combate, pois assim abriam a garganta e engoliam o ar, de modo a ativar os pulmões até os acumuladores cederem e romperem a constrição do medo. Além disso, a tranqüilidade que transpareciam ao cantar diante da morte também servia para atemorizar o inimigo.

Com todo o treinamento de phobologia, o guerreiro espartano buscava atingir um estado de “harmonia interna” (esoterike harmonia), uma serenidade atingida por quem abriu mão de tudo que é supérfluo em seu espírito, até vibrar no timbre exclusivo que o seu daimon determina. Essa era a suprema personificação da virtude andreia, mais valorizada que a própria bravura em combate.

Também havia a busca de uma harmonia externa (exoterike harmonia), que era um estado de união com os companheiros, como um coro de vozes, no seu musical. Na batalha, essa harmonia guiava a falange em seus movimentos e ataques como se fosse um único organismo, com uma única mente e vontade.

O bom humor também era considerado um aspecto muito importante no domínio do medo. Por isso, havia um treinamento denominado “mortificação” (arosis), que consistia em um dos Pares, nas cantinas, escolher um dos jovens e insultá-lo oralmente da maneira mais severa e impiedosa, ou mesmo impor-lhe surras físicas, com o propósito de disciplinar os sentidos para fortalecer a vontade contra a reação com raiva e medo, as forças gêmeas desvirilizadoras, que compreendem o estado chamado katalepsis, “possessão”. A resposta buscada é o humor. O jovem em treinamento tinha que conseguir chegar a rir na cara do seu ofensor, pois uma mente que consegue manter sua leveza não se desintegrará na guerra.


Há dois episódios que ilustram bem a importância da obediência e da necessidade de manter a coragem do início ao fim de uma batalha. Certa feita, durante uma luta assaz renhida, quando todas as armas já haviam sido postas de lado e um espartano estava em luta corporal com seu inimigo, passou a morder a perna deste. O inimigo se revoltou: “Espartano! O que você está fazendo mordendo minha perna?! Parece uma mulherzinha! O espartano respondeu, sem perder a pose: “Mulherzinha não! Leão!”. Pouco importava a condição em que já estivesse, a coragem e a postura de guerreiro tinham de ser mantidas. Em outra oportunidade, um espartano já havia dominado seu oponente e se preparava para concluí-lo com o último golpe de espada, quando soou o toque de cessar e reagrupar. O espartano conteve o golpe e não matou aquele inimigo, que estranhou: “Espartano, você não vai me matar?”, a que o espartano respondeu: “Só há uma coisa melhor do que matar um inimigo: é obedecer ao meu strategos”. Esse sentido de obediência irrestrita e de controle de suas próprias ações mesmo em condição extremas foi uma das mais importantes chaves do sucesso bélico de Esparta.

Na cerimônia em que um guerreiro espartano recebia seu escudo, muitas vezes das mãos de sua própria esposa, ouvia as cinco palavras que estão na epígrafe deste texto e devia lembrá-las sempre: “E Tan E Epi Tas” (volte vitorioso com este escudo, ou morto sobre ele). Dentre todas as armas de um guerreiro espartano, o escudo era considerado a mais importante e sagrada, porque tinha por objetivo não defender aquele que o portava, mas sim o companheiro que estava ao seu lado, a linha espartana, e assim, simbolicamente, toda a cidade. O espartano podia, em meio a uma batalha, deixar cair sua lança, sua espada, seu elmo ou mesmo seu peitoral, mas jamais o seu escudo, o que era punido com a morte.

O escudo devia ficar sempre levantado, com a manga do antebraço e o punho preparados. Se um guerreiro ficasse em pé em descanso, seu escudo devia ficar escorado em seus joelhos. Se ele se sentasse ou se deitasse, devia deixar o escudo erguido na base de tripé, um tripé leve que todos levavam na concavidade do seu manto.

Esse sentido de unidade das linhas espartanas e de todo o seu exército tinha grande importância para o seu sucesso na guerra. Compreendiam que ser corajoso quando isolado era uma dádiva apenas dos deuses e heróis. Para os homens mortais, havia apenas um modo de reunir coragem: nas fileiras, com seus irmãos de armas, como parte de sua cidade. Um homem só, sem cidade, era digno apenas de dó, sem os deuses de sua terra e sem a sua polis. Um homem sem uma cidade não é um homem, é um fantasma sem identidade, a vagar perdido sobre a terra.

Dentro desses códigos de guerra, também era proibido ao espartano, sob qualquer circunstância, voltar as costas para seu inimigo. Há relatos sobre uma mãe espartana que matou o filho quando viu que este voltara com um ferimento nas costas.

À parte a formação da mentalidade guerreira cultivada pelos espartanos, também havia treinamentos específicos para diversas situações. No exercício chamado “carvalho”, alguns defensores se posicionavam ao longo de uma série de carvalhos, com escudos de vime da extensão do corpo firmados sobre a terra, e as tropas de choque faziam carga. Os defensores tinham a sensação de ser atingidos por uma parede de pedra, os joelhos dobravam-se como árvores novas, toda a coragem os abandonava; era uma sensação de morte por esmagamento. Em compensação, numa batalha real, ninguém suportava melhor do que os espartanos uma carga de infantaria.

Havia outro exercício que tinha por objetivo uma antecipação da ação noturna, feito na escuridão total, com o propósito primordial de treinamento para pisar firme, para orientação pelo tato no interior da falange e para a ação sem visão, particularmente sobre um solo irregular. Os espartanos acreditavam que um exército devia ser capaz de alinhar as tropas e manobrar tão habilmente não enxergando quanto com visão, pois, na poeira e terror do embate inicial da batalha, e a conseqüente desordem terrível, nenhum homem conseguia ver além de um metro e meio em qualquer direção, nem ouvir sua própria voz, quanto mais a de seu comandante. Assim sendo, era primordial para vencer uma batalha manter a unidade e a organização em meio ao caos, o que poucos exércitos logravam fazer, dando-lhes grande vantagem no primeiro choque das fileiras de infantaria.

Para muitas pessoas, inclusive outros povos helenos da mesma época, havia a idéia equivocada de que o treinamento militar lacedemônio era extremamente brutal. Deve-se ter em conta que aquela disciplina fazia parte da sua cultura, e estavam habituados a isso desde o berço. Ademais, todo o seu rigoroso treinamento era temperado de muito humor, chegando a uma hilaridade implacável durante os exercícios, que de outra forma seriam estafantes. Os homens faziam piadas desde o toque da alvorada até a hora do encerramento. Mesmo já deitados para descansar, podiam-se ouvir, por minutos, bate-papos em sussurro e risadas vigorosas pelos cantos do campo, até que o sono chegasse para livrá-los da estafa de um dia de treinamento ou de batalha.

Esse humor peculiar dos soldados era gerado pela experiência da penúria compartilhada. Se se perguntasse para um soldado espartano num acampamento de campanha qual a diferença entre ele e um rei espartano, ele certamente responderia que era que o Rei dormia naquela fossa ali adiante, enquanto ele soldado dormia nesta aqui.

Havia, no entanto, situações de treinamento que tinham por objetivo levar o soldado para além do ponto de humor, como no já citado treinamento das oito noites. É quando as piadas cessam, que as verdadeiras lições são aprendidas e que cada homem e o regimento como um todo faz aqueles avanços mágicos, que culminam na provação definitiva. O rigor dos exercícios objetivava mais endurecer a mente do que fortalecer o corpo. Os espartanos diziam que qualquer exército pode vencer enquanto ainda tiver suas pernas no lugar; o verdadeiro teste acontece quando toda a força se esvaiu, e os homens têm de conquistar a vitória sem o corpo.

Os espartanos viam a guerra como trabalho e não mistério. Por isso, ao contrário de outros generais, os strategos espartanos não faziam discursos inflamados antes das batalhas, com o intuito de provocar um estado mental de falsa coragem, que sabiam desapareceria tão logo perdessem o contato visual com o rei e sua energia revigorante. O Rei dava aos generais instruções práticas, prescrevendo atitudes que poderiam ser tomadas fisicamente, com efeitos concretos e imediatos.

Que sempre cuidassem da aparência, mantendo o cabelo, mãos e pés limpos. Que comessem, se houvesse algo para comer, dormissem ou fingissem dormir. E jamais deixassem seus homens os verem inquietos. Se chegassem más notícias, deviam ser transmitidas primeiro àqueles de patente superior, nunca diretamente aos homens. Que instruíssem os escudeiros a polir o escudo (aspis) de cada homem até brilhar o máximo possível, pois a visão dos escudos cintilando como espelhos infundiria terror no inimigo. Que deixassem tempo para os homens afiarem suas lanças, pois aquele que afia seu aço, afia sua coragem.


TERMÓPILAS


Um capítulo importante e emblemático da história dos espartanos foi a batalha das Termópilas, que teve lugar quando o rei Xerxes da Pérsia invadiu a Hélade (Grécia) com um exército de mais de um milhão de homens. A marcha veio do norte pela Tessália e teria que necessariamente passar pelo estreito desfiladeiro das Termópilas para ganhar a península do Peloponeso e destruir as principais cidades gregas.

As cidades, principalmente Esparta e Atenas, que rivalizavam pela hegemonia entre os povos gregos, se uniram contra o inimigo comum. Coube aos espartanos, juntamente com alguns aliados de outras cidades, a defesa desse local, com o intuito de reter o máximo possível o avanço do gigantesco exército persa, dando tempo aos gregos de se organizar para uma defesa mais eficiente.

Os gregos aliados reuniram cerca de cinco mil homens e aguardavam ansiosamente a chegada dos reforços espartanos, a quem caberia o comando dessa campanha. Surpreenderam-se quando o rei Leônidas chegou acompanhado de apenas trezentos soldados. Alguns questionaram, afirmando que eram poucos, ao que Leônidas respondeu que eram trezentos guerreiros, ao passo que aqueles aliados que estavam diante dele eram camponeses, alfaiates ou arquitetos, estando portanto, em termos de guerreiros, os espartanos em maioria.

Na verdade, Leônidas havia prometido reforços aos aliados em Atenas, mas o senado de Esparta recusava-se a deliberar a aprovação de um contingente antes do término das festas cívicas na Lacedemônia, período em que o senado não deliberava. Ciente da urgência da situação e da palavra empenhada, Leônidas reuniu sua guarda pessoal, dos trezentos melhores homens de Esparta, para dirigir-se às Termópilas. Quando saía, um dos senadores lhe perguntou se trezentos não eram poucos homens para vencer uma batalha. Leônidas respondeu: “Para a vitória somos poucos, mas para a morte somos muitos!”

Leônidas e os seus trezentos estavam plenamente cientes do funesto destino que os aguardava. Não havia vitória possível sobre o exército persa. A única vitória seria morrer com honra e permitir que a Hélade se reerguesse contra o inimigo oriental, para rechaçá-lo de volta às suas terras.

O rei espartano era querido por seus oficiais, soldados de sua guarda e soldados rasos, que o viam, com quase sessenta anos, sofrer cada fração da penúria por que passavam. E sabiam que, quando chegasse a hora do combate, ele assumiria o seu lugar, não em segurança, na retaguarda, mas na linha de frente, no local mais violento e arriscado do campo.

Termópilas era um balneário. A palavra em grego significa “portões quentes”, por causa das fontes termais e dos desfiladeiros estreitos e escarpados que formam as únicas passagens pelas quais é possível se chegar ao local. O Muro Phokiano, em torno do qual tantos dos combates foram travados, não foi construído pelos espartanos e seus aliados no evento, mas já existia antes da batalha, tendo sido erigido no tempo antigo pelos habitantes de Phokis e Lokris como defesa contra as incursões de seus vizinhos do norte, os tessálios e macedônios. O muro, quando os espartanos chegaram para tomar posse do estreito, estava em ruínas. Eles o reconstruíram.

Nessa ocasião, os relatos dizem que Leônidas simplesmente apanhou uma pedra grande e caminhou até um determinado lugar. Ali, pôs a pedra. Ergueu uma segunda e a pôs do lado da primeira. Os homens observavam atônitos seu comandante-em-chefe, curvar-se para pegar uma terceira pedra. Alguém berrou: “Quanto tempo pretendem, imbecis, ficar olhando boquiabertos, enquanto o rei constrói o muro sozinho?”

Com animação, os soldados começaram então a ajudar na construção, mas o rei não interrompeu seus esforços quando viu outras mãos participarem do trabalho, mas prosseguiu junto com eles enquanto a pilha de pedras começou a se erguer e formar uma legítima fortaleza. Mas dizia aos homens para não terem a ilusão de que um muro de pedras preservaria a Hélade, pois esse era o trabalho para um muro de homens.

Essa tônica de comportamento de Leônidas se manteve durante toda a batalha, o rei trabalhava diretamente com seus guerreiros, não se esquivando de nada, fazendo uma pausa para se dirigir a eles individualmente, chamando-os pelo nome se os conhecia, memorizando os nomes de outros que até então lhe eram desconhecidos, tratando-os como camaradas e amigos. Tais palavras, ditas a dois ou três homens, rapidamente se alastravam por todo o acampamento, retransmitidas de guerreiro a guerreiro por toda a linha, enchendo de coragem o coração de todos eles.

O exército dos Persas era realmente imenso, concordando a maior parte dos historiadores que tinha cerca de um milhão de homens — embora alguns pensem que chegava aos dois milhões. Dizia-se que quando os soldados persas passavam secavam os rios, quando acendiam fogueiras de acampamento eram mais numerosas que as estrelas no céu. Questionado sobre isso por um dos comandantes aliados, Leônidas responde: “Ótimo, quando garoto, eu sempre quis tocar as estrelas com a minha lança”. Da mesma forma, quando recebeu o anúncio de que os inimigos estavam avançando, respondeu: “Ótimo, isso significa que estamos nos aproximando.”

Várias outras frases foram eternizadas pelos historiadores, inclusive historiadores persas. No primeiro contato entre Leônidas e Xerxes, como era de praxe ocorrer, a fim de verificar se era possível evitar o combate, o persa lhe disse: “Vocês não têm qualquer chance, somos tantos que quando atacarmos nossas flechas eclipsarão o sol!”. Sem alterar a expressão em seu rosto, Dieneks respondeu: “Então combateremos à sombra.” Xerxes deu então o ultimato: “Entreguem suas armas.” Leônidas(significa Leão) redargüiu com tranqüilidade: “Molon Lave!” (Venha pegá-las!).

Aquele local nas Termópilas fora estrategicamente escolhido por ser estreito, de forma a anular a grande superioridade numérica dos persas. As linhas de batalha que colidiam eram limitadas. A única questão era que a reposição dos persas era interminável, enquanto os espartanos sofreriam praticamente não teriam reposição nas linhas. Mas, dois ou três dias que retivessem o inimigo naquele ponto já seriam essenciais para a sorte da Grécia.

Quando os persas se agruparam para o embate, e suas trombetas ressoaram de além do Estreito, cobrindo toda a planície, Leônidas disse a seus homens, com um largo sorriso: “Comam um bom desjejum, homens, pois hoje jantaremos no Hades.”

Antes do primeiro embate, nas fileiras do inimigo, os soldados começaram a bater as hastes de suas lanças sobre o bojo de seus escudos de bronze, gerando um tumulto que os espartanos chamavam de pseudoandreia. Outros reforçaram a barulheira impelindo, como na guerra, as pontas de suas lanças para o céu e emitindo súplicas aos deuses, e gritos de ameaça e raiva. A gritaria triplicou, aumentou cinco, dez vezes, enquanto a retaguarda e o flanco captavam o clamor e contribuíam com os seus próprios brados e batidas no bronze. Em breve, todo o destacamento estava bradando o grito de guerra. Seu comandante impeliu sua lança à frente e a massa surgiu atrás dele, no movimento de avançar.

Os espartanos não se moviam nem emitiam qualquer som. Aguardavam pacientemente em suas posições, com seus mantos escarlate — que tinham por objetivo evitar que o inimigo visse que estavam sangrando —, nem sombrios nem rígidos, apenas trocando, calmamente, palavras de encorajamento e estímulo, nos preparativos finais para a ação que haviam ensaiado centenas de vezes em treinamento e realizado muitas vezes mais em combate.

Era comum que nesse momento se entoassem canções, o que além de dar tranqüilidade aos homens, dava ainda mais medo ao inimigo, que teria de enfrentar um exército que cantava antes de uma batalha de morte.

Quando iam para cada batalha, os espartanos traçavam seus nomes ou sinais sobre os braceletes improvisados de galhos que chamavam de “etiquetas”, que distinguiriam seus corpos caso, mortos, fossem mutilados de modo medonho demais para serem identificados. Metade, a “metade sangue”, era amarrada no pulso, enquanto a outra metade, “metade vinho”, era deixada num cesto. Usavam galhos porque não tinham valor como saque para o inimigo. Ao voltar, coletavam as “etiquetas”, as que não fossem procuradas na cesta, identificavam os mortos.

Esse talvez fosse o pior de todos os momentos na guerra. Mesmo aqueles que se haviam mantido em total controle durante o combate agora podiam se soltar e até chorar, tanto em reverência aos camaradas perdidos, quanto como uma forma de purgação do medo (hesma phobou, ou “extravasando o medo”).

Em nenhum momento, aqueles duros soldados perdiam o carinho e a ternura, o que nada tinha de efeminado, ao contrário, era considerado uma qualidade essencial de um guerreiro, como sinal de bondade, que sempre deve estar junto com a força. Nos momentos finais, antes da batalha, trocavam escudos com os aliados Téspios, como sinal de respeito de quem lutou lado a lado e iria morrer lado a lado.

Nas Termópilas lutaram apenas os lacedemônios da classe superior, totalmente espartanos, Pares ou Iguais (homoioi), não havia ninguém da classe dos Cavalheiros Comissionados (perioikoi), espartanos subordinados que não gozavam de total cidadania, ou aqueles recrutados nas cidades lacedemônias próximas. Porém, quando o final da batalha se aproximava, e os oficiais espartanos sobreviventes se tornaram tão poucos que já não compunham uma frente de luta, um certo “elemento de fermentação”, de escravos libertos, carregadores de armaduras e escudeiros, tiveram permissão para ocupar os espaços vagos e lutar.

Os oficiais tinham como obrigação, além do comando, socorrer e cuidar de seus homens, impedir que aqueles sob o seu comando, em todos os estágios da batalha — antes, durante e depois —, fossem possuídos pela katalepsis. Tinham que atiçar sua bravura quando esmorecia e refrear sua fúria quando ela ameaçava tirar-lhes o controle. Esses homens usavam o elmo de crista cruzada de um oficial, para distingui-los no campo de batalha.

Esse trabalho poderia ser resumido numa frase: “realizar o comum sob condições incomuns”.

Os Trezentos resistiram seis dias nas Termópilas, impondo aos persas baixas impressionantemente grandes, em proporção ao seu número. Foram finalmente dizimados porque um grego chamado Efialtes os traiu, mostrando aos persas uma trilha secreta usada pelos pastores de cabras, que circundava o desfiladeiro, permitindo aos persas surpreender os espartanos pela retaguarda. Já combalidos, em pequeno número e com duas frentes de batalha, todos que estavam nas Termópilas foram mortos.

O próprio rei Xerxes reconheceu o valor de seus oponentes ao afimar: “Até as rochas são testemunha da coragem humana, glória e resistência desses espartanos.”

Essa batalha permitiu aos atenienses que evacuassem a cidade, em seus navios, deixando para Xerxes, quando lá chegou, apenas uma cidade fantasma. Os gregos se reagruparam e, na batalha marítima de Salamina, que impediu a chegada de víveres e reforços para os contingentes de Xerxes, e na batalha terrestre de Platéia, em que os persas tiveram de se defrontar com uma verdadeira falange de espartanos, da qual tinham recebido apenas uma pequena amostra nas Termópilas, conquistaram a vitória sobre o poderoso inimigo persa.

Um rei espartano se perdeu em batalha, o que não ocorria havia mais de seiscentos anos, mas o oráculo se cumpriu: “Ou Esparta perderia um rei em combate, calamidade que não acontecia há seiscentos anos, ou a cidade cairia.”

Esse episódio da história ainda hoje é guardado e contado como um exemplo comovente para os povos livres do mundo do que alguns homens podem conquistar quando se recusam a se submeter à tirania.

Quem hoje visitar o local das Termópilas, encontrará uma estela de pedra, já quase apagada pelo tempo, esculpida com a frase:

“O xein angellein Lakedaimoniois hoti tede

keimetha tois keinon rhemasi peithomenoi”.



“Digam aos espartanos, estranhos que passam,

Que aqui, obedientes às suas leis, jazemos.” (tradução livre)

“A guerra, não a paz, produz a virtude. A guerra, não a paz, purga o vício. A guerra, e a preparação para a guerra, suscita tudo que é nobre e digno em um homem. Une-o a seus irmãos e os liga em um amor altruísta, erradicando no cadinho da necessidade tudo que é vil e ignóbil. Ali, no moinho sagrado do assassínio, o homem mais vil pode buscar e encontrar essa parte de si mesmo, oculta sob a corrupção, que reluz intensa e virtuosa, digna de honra diante dos deuses. Não despreze a guerra, efebo, nem imagine que a misericórdia e a compaixão sejam virtudes superiores a andréia, à bravura viril”. (Steven Presfield – Portões de Fogo, 1998)





















A Armadura de Deus




Primeiro: Vc está em guerra, prepare-se para ela!

Estamos em uma guerra constante. Não existe “pause game” aqui! O SENHOR pode te dar um período de descanso, mas, no campo de batalha a luta continuará sendo travada!

Para estar preparado, precisamos de Adestramento, vigilância e usar a armadura de DEUS!

Segundo: As partes da armadura

Capacete da Salvação:

Instrumento de proteção. Protege nossa mente de maus pensamentos, do pessimismo, do medo, dúvida, etc. É preciso ter em mente a palavra de DEUS!

Escudo da Fé:

Instrumento de defesa. Defende qualquer parte de nosso corpo. É a nossa fé! Qndo um dardo inflamado do diabo vem em nossa direção, usamos o escudo (fé) para nos defender! É preciso crer em JESUS e na SUA palavra para q o escudo seja eficiente a ponto de nos defender de qualquer ataque.

Espada do Espírito:

Instrumento de ataque e defesa. Usamos qndo recitamos versículos (em voz audível) ou qndo declaramos a vitória de JESUS em uma determinada situação. Funciona através da nossa voz! Também pode ser usada para se defender qndo se está em luta. Quanto maior o conhecimento das escrituras, melhor e mais preciso o seu ataque!

Couraça da Justiça:

Instrumento de proteção. Está posicionada no peito de forma a proteger nossos órgãos vitais. Ela representa o sangue de JESUS (q é a justiça de DEUS) q foi derramado sobre nós e nos purifica do pecado e de toda acusação do diabo!

Cinto da Verdade:

Instrumento de proteção. Está posta de forma a protege os órgãos reprodutores. A verdade de DEUS (a palavra de DEUS) faz com q sejamos produtivos. A medida q praticamos a verdade q está contida na palavra de DEUS, geramos frutos. Pelo conhecimento da verdade, somos libertos de toda mentira do diabo.

Calçados do Evangelho:

Instrumento de proteção. Serve para nos proteger de onde pisamos. Devemos levar o evangelho onde nós estivermos, seja falando ou agindo!

Terceiro: e agora?

Agora vc sabe q está em uma luta, precisa estar preparado, adestrado, vigiando e revestido de TODA a armadura de DEUS. Vamos imaginar uma luta prática. Vamos usar Joãozinho (sempre ele…). Ele é um cristão normal:

Cena01

Joãozinho acorda de manhã, pula da cama e meio cambaleando vai para o banheiro. Lava o rosto, se olha no espelho e dá uma cutucada na espinha.

Ainda bocejando e tonto, vai tomar café da manhã.

Obs. A primeira coisa q Joãozinho deveria fazer ao acordar era orar. A melhor coisa é logo de manhã iniciar seu relacionamento com DEUS. Não digo uma oração de horas, em menos de 1 minuto vc já consegue dizer muita coisa a DEUS!

Outra coisa: Vou deixar algo q pensei ontem e comecei a fazer hoje: Deixo aberta a bíblia em uma determinada passagem q escolhi na noite anterior e ao acordar, leio. Novamente digo q não precisa ser um capitulo, um versículo basta, vc q escolhe. Enquanto vc vai tomando o café da manhã, vc vai meditando no versículo lido!

Logo de manhã precisamos já nos aquecer pra batalha e vestir a armadura!

Cena 02

Joãozinho sai de casa em direção ao trabalho. No caminho passa por uma banca de jornal q exibe descaradamente revistas de mulheres nuas. Ele percebe, fica olhando, dá uma parada, finge q está vendo o jornal… olha para o relogio e percebe q está atrasado. Corre, pega o ônibus lotado tendo ainda em mentes as imagens das mulheres q acabou de ver.

Obs. Td mundo sabe q ele fez errado mas, o q ele deveria fazer? É muito fácil dizer: “Não olhar para as revistas nem ficar pensando oras!”

A pornografia tem destruido muitos cristãos. Aqui no blog já divulguei alguns estudos sobre isso (veja alguns aqui). Lutar contra a carne é difícil e por isso o SENHOR nos disponibilizou a SUA armadura.

Qndo Joãozinho “percebeu” as fotos, não deveria olhar pela 2º vez. Para isso ele deveria recitar um versículo contra aquilo. Por exemplo: “Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação; que vos abstenhais da prostituição.” (1 Tessalonicenses 4:3). Dessa forma as imagens não ficariam em sua mente também.

Cena 03

Joãozinho chega ao trabalho dá bom dia pra todo mundo mas, distraido, não percebe q Mariazinha (ela não pode faltar tb!) está acenando com a mão. Ele se vira e vai para sua mesa. Um pensamente de rejeição vêm sobre Mariazinha q começa a ficar triste. Pensamentos como “ninguém gosta de vc…”, “viu? ele nem te olhou…”, “ele deve estar tramando algo contra vc…” dominam sua mente e invadem o coração deixando-a muito triste.

Obs. O Joãozinho tem culpa? Claro q não. Mariazinha tem culpa? Um pouco…. ela não está treinada! Ela devia ter ter em mente o capacete da salvação e lembrar de versículos q dizem o qnto é importante pra DEUS (João 15:16). Não deveria ter deixado esse tipo de pensamento entrar em sua mente e invadir seu coração repreendendo-os em nome de JESUS. Sabendo versículos de memória, sua mente está protegida! Neste caso, o bom censo é válido (conversar com a pessoa antes de tirar as conclusões).

Cena 04

Fim de expediente. Joãozinho vai pra faculdade. Chegando lá, encontra a Cláudia. Ela tem passado por algumas dificuldades mas, não fala nada para Joãozinho. Os problemas tem acabado com a Cláudia. Ela não consegue descansar com isso em sua cabeça.

Obs. O q falta pra Cláudia? Acreditar q DEUS tem cuidado dela, ou seja, usar o Escudo da Fé. O capiroto tem jogado dardos inflamados nela e ela não tem se defendido de denhum. Pq? Pq não acredita nas escrituras! Se acreditasse, podia repreender em nome de JESUS!

“Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem.” (Hebreus 11:1)

Cena 05

Rafael, amigo de Joãozinho, vai falar com o professor pois descobriu q foi reprovado devido ao número de faltas.

- Mas professora, só estorei por 1 falta! Não pude vir sexta passada pq estava doente!!

- Sr. Rafael, o sr. não me engana não! Eu vi o sr. bebendo no bar da esquina na sexta passada!

Sem graça e desconcertado por ter sido desmascarado, Rafael somente abaixa a cabeça faz uma careta de desapontamento e vai pra sua carteira.

Obs. Vc já usou uma calça q era muito grande na cintura e vc precisava puxar pra cima direto? Pois é… é assim q se sente quem não tem o Cinto da Verdade. Qndo a verdade surge e vc carrega a mentira, a vergonha vem ao seu encontro! É como se suas calças caissem na frente de todo mundo!!!! Vexame e vergonha!

E o q foi semeado? A mentira. O q se colhe? Vergonha! Se vc está fundamentado na verdade de JESUS, então suas atitudes produzirão bons frutos!

“Estai em mim, e eu em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim.” (João 15:4)

Cena 06

Joãozinho acaba sendo convidado por uns amigos para o bar. Ele resolve ir, afinal, “fiz-me fraco para ganhar os fracos”. Oferecem bebida a ele mas, ele rejeita.

Passado um tempo, chegam umas meninas da faculdade. Sentam junto, conversam, Joãozinho acaba bebendo um pouco, se envolve com uma menina e eles ficam. Em meio a amasos, Joãozinho finalmente usa a razão pensando: “Meu DEUS! O q estou fazendo???”

Dá uma desculpa pra menina e apressadamente vai em direção ao ponto de ônibus.

O caminho pra casa é torturante. “Ué? vc não é crente? Tá pecando?? Não falei q vc era assim? Aceita rapaz! Vc é pecador mesmo! Não tem jeito! Hahaaha! E agora crente? Vai levantar a mão na igreja e cantar? Essa mão ae q fez da menina um corrimão! hahaha!! Vai orar?? Vc acha q JESUS vai te ouvir? Vc tá podre de pecados!!!”.

Obs. O que Joãozinho tem q fazer? Usar a Couraça da Justiça!!! Reconhecer q é fraco, pecador e injusto e tomar sobre si o SANGUE DE JESUS! O preço já foi pago na cruz e essa cruz já foi carregada por JESUS, não precisamos carregá-la de novo!

(ATENÇÂO: digo cruz em relação a ficar sentindo o peso do pecado e não em relação a cruz q o SENHOR falou q deveriamos tomar –Mateus 16:24).

Por isso, se vc “morder a maçã”, esteja revestido da Couraça da Justiça!

Aconselho a você ler o estudo de cada parte da armadura para q possa ter uma melhor compreesão dos 6 exemplos citados.

Em uma batalha nós defendemos com o escudo e atacamos com a espada. Então qndo vemos algo q pode nos afastar de DEUS dizemos: “Repreendo em nome de JESUS!” Com isso vc declara públicamente q CRÊ q no nome de JESUS há poder. Isso é igual ao exercício da fé q é igual ao escudo da fé! Pois bem, vc usou o Escudo mas, não podemos ficar defendendo o tempo todo, precisamos atacar e para isso nós temos a espada. Após repreender tal situação, dizemos o pq repreendemos baseados em um versículo bíblico! A palavra expressa é igual a espada do espirito!

Obviamente o inimigo não se dará tão facilmente por vencido. Vc terá q repreender (defender) e expressar a palavra de DEUS (atacar) várias vezes!!!! Por isso é chamado batalha espiritual!!! É constante e cansativo!

Por isso, somente os “espartanos” vencem, o resto “sobrevive”!!!!

Lembre-se q vc não está sozinho nessa batalha, há milhões de guerreiros ao seu lado!

O REI tb não te colocará de primeira na linha de frente ao inimigo. No inicio vc ficará mais recuado, com o tempo vc vai amadurecendo, ganhando habilidade, se fortalecendo e dai meu amigo, é hora de matar gigantes!

Uma armadura concreta exige treino para saber se movimentar ganhando forças para suportar seu peso. De igual forma, a Armadura de DEUS exige muito exercício. No começo ela será pesada. Muitas vezes vc não se lembrará q está com ela. Isso é como se deixasse pedaços dela por ai devido à falta de habito. Com o tempo, vc vai saber usá-la sempre e vencerá inimigos q jamais sonhou enfrentar!

Volte constantemente (ou salve os textos em seus documentos) para relembrar as características de cada parte da armadura. Estude-as! DEUS pode te mostrar outras características dela.

É isso aí espartano!! Espero q vc tenha captado a mensagem!

Vista a TODA a armadura TODOS os dias e vem comigo lutar a favor do REI!



quarta-feira, 12 de outubro de 2011

TODOS OS POLÍTICOS: ANTES DA POSSE.


Nosso partido cumpre o que promete.
Só os tolos podem crer que
não lutaremos contra a corrupção.
Porque, se há algo certo para nós, é que
a honestidade e a transparência são fundamentais.
para alcançar nossos ideais
Mostraremos que é grande estupidez crer que
as máfias continuarão no governo, como sempre.
Asseguramos sem dúvida que
a justiça social será o alvo de nossa ação.
Apesar disso, há idiotas que imaginam que
se possa governar com as manchas da velha política.
Quando assumirmos o poder, faremos tudo para que
se termine com os marajás e as negociatas.
Não permitiremos de nenhum modo que
nossas crianças morram de fome.
Cumpriremos nossos propósitos mesmo que
os recursos económicos do país se esgotem.
Exerceremos o poder até que
Compreendam que
Somos a nova política.

DEPOIS DA POSSE:
Basta ler o texto acima, DE BAIXO PARA CIMA.